©TUNA_TNSJ-CASTROjul01-00067.jpg

Castro

António Ferreira / Nuno Cardoso

 

Em português with english surtitles

18.06.2021, 20.00

19.06.2021, 20.00

 

A mais bela peça de teatro alguma vez escrita em português.

The most beautiful  stage play ever written in Portuguese.

 Frederico Lourenço

 

 

A etimologia do apelido Castro remete para castelo, construção fortificada. É precisamente um território confinado e claustrofóbico, o de uma imensa casa-país, o que Nuno Cardoso, o novo diretor artístico do Teatro Nacional São João – um dos mais estimulantes projetos teatrais do pós-25 de abril –, nos convida a habitar em Castro (1598), do poeta António Ferreira.

 

Na sua particular leitura do drama histórico/lenda/mito dos amores de Pedro e Inês, o encenador desvenda-lhe a modernidade e densidade intrínsecas, veladas pela poesia da linguagem e pela elocução. O espetáculo coloca-nos face à intimidade concreta de personagens que se revelam cativas de si próprias e da sua irredutibilidade. Em Castro, a mais terrífica das tragédias e morada de algumas das mais belas palavras alguma vez escritas em português, a questão da utopia (do amor, como da revolução) e do seu negro avesso são cruciais: o amor/desejo e o poder como vício e caos, como cegueira que “escurece daquela luz antiga o claro raio”.

 

O que é a Castro? Um poema que, na pirâmide do Sublime da poesia quinhentista portuguesa, ocupa o lugar culminante, ao lado de Os Lusíadas, de Luís de Camões. Certamente a mais bela peça de teatro alguma vez escrita em português. António Ferreira é a chave que nos permite compreender o fenómeno da poesia renascentista em Portugal. Não se pode dizer mais …

The etymology of the Castro surname is related to a castle, a fortified construction. Nuno Cardoso, the new artistic director of Teatro Nacional São João — one of the most compelling theatre projects in post-Carnation Revolution Portugal and collaborative partner of TNL— , invites us to inhabit the confined, claustrophobic territory of a house-country in his staging of Castro (1598), by poet António Ferreira.

 

Castro, the most terrifying of tragedies and home to some of the most beautiful words ever written in the Portuguese language, confronts us with the concrete intimacy of characters that come across as captives of themselves. The play exposes the issue of utopia and its dark reverse: love/desire and power as addiction and chaos, as a blindness that “tarnishes/The brilliant rays of the ancient glory”.

 

What is Castro? Certainly the most beautiful stage play ever written in Portuguese—and Ferreira is the key that allows us to understand the phenomenon of Renaissance poetry in Portugal. That is all there is to say …

 

In addition to the performances, Artistic Director Nuno Cardoso will offer workshops and audience talks in Portuguese and English for anyone interested in his work and an entertaining ride along the history of modern theater.

Dates to be announced!

 

 

 

Direction: Nuno Cardoso

Set design: F. Ribeiro

Lighting design: José Álvaro Correia

Costumes: Luís Buchinho

Direction assistance: Nuno M Cardoso

 

With: Afonso Santos, Joana Carvalho, João Melo, Margarida Carvalho, Maria Leite, Mário Santos, Pedro Frias, Rodrigo Santos

A production: Teatro Nacional São João, Porto

Ce qu'en dit la presse

Texte

 

—  Auteur, Journal

©TUNA_TNSJ-CASTROjul01-00485.jpg